domingo, 27 de dezembro de 2015

Ponte no Amapá liga o nada ao lugar nenhum

26/12/2015 - Gazeta do Povo - The New York Tines

SAINT-GEORGES-DEL’OYAPOCK, GUIANA FRANCESA / THE NEW YORK TIMES

"Eu não sei, talvez 30”, ele disse, referindo-se a quilômetros por hora. "Quando abrirem a ponte, vão colocar as placas.”

Contudo, o limite de velocidade hoje é efetivamente zero, pois a ponte sobre o rio Oiapoque, ao lado de Saint Georges, cidade de quatro mil habitantes, nunca foi aberta a pedestres ou veículos, embora tenha sido completada há mais de quatro anos a um custo de aproximadamente US$ 33 milhões, à época. Ambicionada como um símbolo de cooperação internacional – as placas são em francês e português –, a ponte se tornou um símbolo da incapacidade de os dois países trabalharem juntos.

"A ponte é apenas a parte visível do iceberg”, disse Thierry Girardot, 45 anos, trabalhador do Parque da Guiana Amazônica, sentado no terraço do restaurante Chez Modestine, de frente para a praça pública, abandonada ao calor escaldante. "É concreto, está ali, é real, mas a ponte não é a única coisa necessária para atravessar a fronteira.”

A decisão de construir a ponte foi anunciada em 1997 pelos então presidentes da França, Jacques Chirac, e Fernando Henrique Cardoso, do Brasil. A intenção era levar o desenvolvimento econômico ao estado brasileiro do Amapá, que faz fronteira com a Guiana Francesa, e criar oportunidades para empresas francesas e brasileiras. E pretendia melhorar a ligação da Guiana Francesa, sempre voltada para a Europa, com o continente dominado por latinos em que habita e, em grande medida, ignora.

Também se queria estabelecer uma ligação entre o Brasil e a Europa. A Guiana Francesa, ex-colônia que foi principalmente usada para abrigar criminosos em prisões famosas pela brutalidade abominável, se tornou um departamento ultramarino da França em 1946, obtendo o mesmo status de qualquer outro território francês.

Quando se cruza a fronteira da Guiana Francesa, não se está apenas na França – onde se fala francês, policiais franceses patrulham a fronteira e as pessoas elegem representantes para o Parlamento Francês –, mas também na União Europeia. A moeda corrente é o euro, e as regras da União Europeia em questões como segurança alimentar se aplicam.

França e Brasil concordaram em dividir o custo da construção da ponte, e a estrutura foi completada em 2011, com Nikolas Sarkozt e Dilma Rousseff como presidentes.

Em seu lado da ponte, a França construiu um posto de polícia aduaneira, para administrar os serviços de imigração e alfandegários, que já parece desgastado pelo tempo. Na ponte, com extensão superior a quatro campos de futebol, a linha branca dupla no centro do asfalto está descascando.

Porém, no lado brasileiro, as coisas atrasaram. O Brasil prometeu asfaltar a estrada de terra até Macapá, capital do estado do Amapá, a partir de Oiapoque, a cidade no lado brasileiro da ponte. Porém, boa parte da rodovia ainda não foi pavimentada. O Brasil também atrasou as instalações para imigração e alfândega, terminando as estruturas somente há pouco tempo. Ainda é necessário mobiliar, instalar computadores e outros artigos.

"Nós poderíamos abrir a ponte amanhã se eles enviassem pessoal e acabassem o trabalho”, declarou Éric Spitz, prefeito da Guiana Francesa, durante entrevista em seu grande gabinete revestido de madeira em Caiena, a capital, a três horas de carro de Saint Georges.


Um impasse em relação ao seguro veicular contribuiu com a demora. A França exige que os motoristas e as empresas de transporte tenham níveis muito mais elevados de cobertura do que as exigidas pelo Brasil. Os dois lados não conseguiram resolver a questão.


Segundo Spitz, durante encontro com seus colegas brasileiros em outubro, ele os desafiou a abrir a ponte antes dos Jogos Olímpicos no Rio de Janeiro, a começar em agosto de 2016. O prefeito disse que eles concordaram.

Muitos outros assuntos surgidos durante as conversas bilaterais não tinham nada a ver com a estrutura em si. Eles incluem o desejo francês de exportar mais laticínios ao Brasil, e a insistência brasileira de que a Guiana Francesa se empenhe mais para impedir a disseminação de uma mosca-das-frutas que ameaça uma cultura brasileira.

E também existe a questão do visto. Cidadãos franceses não precisam de visto para viajar ao Brasil, e os brasileiros não precisam de visto para ir a qualquer outra parte da França. Porém, mesmo que a Guiana Francesa seja um vizinho, os brasileiros precisam de visto para nela entrar; a exceção são viagens a Saint Georges, que podem ser feitas com permissão especial.

Isso irrita muitos brasileiros. Filip Van Den Bossche, empresário de Caiena, disse que um amigo brasileiro pretendia fazer uma visita durante as férias, mas descobriu que o visto exigido era caro demais. Em vez disso, o amigo comprou uma passagem aérea para a Europa.

Spitz, o prefeito, disse que a exigência de visto pretendia impedir a imigração ilegal de brasileiros para a Guiana Francesa.

Segundo algumas estimativas, milhares de brasileiros estão envolvidos na mineração ilegal de ouro na Guiana Francesa. Navios brasileiros também foram acusados de pescar em águas do país vizinho. Isso afeta a maneira pela qual muitas pessoas veem seus vizinhos, e muitos na Guiana Francesa não estão ansiosos em observar um influxo maior de brasileiros.

"Essa ponte nunca será aberta”, declarou Sandra Rufino, 45 anos, parada do lado de fora do mercado local no lado brasileiro e apontando desdenhosamente para a estrutura. "Só está aí para que pudessem dizer que construíram uma ponte.”

"Ela é um enfeite”, acrescentou sua amiga, Marcileide Lozeira, 38 anos.

Em Caiena, Spitz previu que a ponte seria como a Torre Eiffel, considerada feia quando estava sendo construída, mas que passou a ser amada como um símbolo nacional.

"Assim que a ponte for aberta, todos os anos difíceis serão esquecidos”, ele declarou.


Nenhum comentário:

Postar um comentário