sábado, 2 de setembro de 2017

Rui e Temer na China dão o pontapé inicial da ponte Salvador-Itaparica

01/09/2017 -

Governador assinou memorando de entendimento com empresas; Obra vai custar R$ 7,671 bilhões

Levi Vasconcelos
Foto: Divulgação/ GOVBA
Foto: Divulgação/ GOVBA

Rui Costa assinou na China o memorando com a China Railway Engineering Corporation (Crec 4), fato que abre oficialmente os entendimentos para a construção da ponte Salvador-Itaparica e o Sistema Viário do Oeste (SVO).

O memorando abre as portas para os chineses realizarem estudos de viabilidade complementares técnicos e ambientais. Eles têm 30 dias para apresentar um cronograma de trabalho.

Em miúdos, os chineses vão poder meter o bedelho oficialmente. Com expertise em construção de longas pontes, nas conversas preliminares eles olharam o projeto e fizeram algumas considerações informais.

Uma delas: o projeto da ponte já pronto prevê uma altura de 125 metros. Acharam alta demais. Com 100 metros de altura, ficaria de bom tamanho.

Oficialmente Rui se encontra com Temer neste fim de semana em Xiamen, onde ocorre a reunião. Na pauta está também a Fiol e o Porto Sul, em Ilhéus.

Diz João Leão, o pai da Fiol e homem que toca a ponte agora:

— Na China, Rui e Temer estão falando a mesma língua, o mandarim.

Engenharia financeira

A ponte Salvador-Itaparica e o Sistema Viário do Oeste (SVO) vão custar R$ 7,671 bilhões, assim distribuídos:

1 — A ponte em si tem um custo estimado de R$ 6,6 bilhões.
2 — R$ 230 milhões são para a construção de 4,2 quilômetros de viadutos (passam por cima da área de São Joaquim) e mais dois túneis ligando a Via Expressa à cabeceira da ponte.
3 — Outros R$ 169 milhões para a duplicação da Ponte do Funil, que liga a ilha de Itaparica ao continente.
4 — R$ 183 milhões serão para a construção de uma via segregada no miolo da ilha para a passagem de veículos pesados.

O resto é para a duplicação das estradas até Santo Antonio de Jesus em num lado e Valença no outro, além de um contorno em Nazaré. Pelo projeto, a empresa parceira entrará com 75%, a Caixa Econômica com 5% e os governos, baiano e federal, com 20%.

Resta saber se a crise, com os seus imbricamentos políticos na Bahia, vai deixar.

Os chineses interessados são os mesmos que acabaram de construir, na China, a ponte que liga Hong Kong, Zhuhai e Macau, com 50 quilômetros de extensão.


Levi Vasconcelos é Jornalista político, Diretor de Jornalismo do Bahia.ba, e titular da Coluna Tempo Presente do Jornal A Tarde.


Nenhum comentário:

Postar um comentário