quarta-feira, 19 de novembro de 2014

Disputa judicial atrasa construção da nova rodoviária de Belo Horizonte

19/11/2014 - Veja BH


A casa do mecânico Jorge Rodrigues Gomes de Souza nunca fica vazia. Desde que foi anunciada, em 2012, a desapropriação da Vila Minaslândia, no bairro São Gabriel, para a construção da nova rodoviária de Belo Horizonte, ele cuida para que tenha sempre alguém no imóvel, construído por seu pai há quase sessenta anos. Souza mora ali com outras seis pessoas: a mulher, dois filhos, uma nora e dois netos. Precisamos ficar alerta para atender os peritos e oficiais de Justiça que querem nos tirar daqui, diz. A prefeitura ofereceu uma indenização de 56000 reais pela residência, que, segundo Souza, tem 600 metros quadrados. O mecânico não aceitou. Também não concordou com a troca por um apartamento de três quartos no bairro Belmonte. Os Souza são uma das três famílias que resistem à desapropriação e brigam com a prefeitura na Justiça para definir o destino de suas casas - e, consequentemente, do novo terminal rodoviário.

A previsão da administração municipal era concluir a construção para a Copa do Mundo. Quatro meses depois do fim do Mundial de futebol, porém, o cenário por lá não lembra em nada um canteiro de obras. No terreno onde cerca de 270 imóveis já foram demolidos, as três residências ainda de pé estão cercadas por mato e lixo. Os moradores convivem com cães e gatos deixados para trás pelos que residiam lá anteriormente e com os usuários de drogas que ocuparam o lugar. Só não saio porque não tenho para onde ir, afirma a dona de casa Marlene dos Santos Ferreira. A prefeitura ofereceu 90000 reais pelo imóvel, erguido por seus sogros há 39 anos, mas Marlene diz que corretores particulares o avaliaram em 315000 reais. Com o que querem pagar, não dá para comprar nada em Belo Horizonte.

A Companhia Urbanizadora e de Habitação de Belo Horizonte (Urbel) alega que essas três casas estão localizadas em área irregular e que os ocupantes não têm a posse legal, o que explica os valores propostos. Novas avaliações foram feitas por um perito judicial. Enquanto a Justiça não se pronunciar, não será possível falar em prazo para o início da construção do terminal - que terá 35500 metros quadrados, com dois pavimentos e passarelas de integração às estações de metrô e do BRT -, no qual devem ser investidos cerca de 60 milhões de reais. Serão pelo menos dezoito meses de obras após a liberação dos terrenos. Até lá, os passageiros da capital terão de continuar embarcando na velha rodoviária, localizada no Centro, que não passa por uma reforma há pelo menos vinte anos e não conta com acesso para deficientes físicos.

sexta-feira, 14 de novembro de 2014

Trecho de 27 quilômetros da Via Lagos recebe divisória metálica

14/11/2014 - Agência Rio


Após determinação do Governo do Estado, a concessionária Via Lagos informou que concluiu a implantação da divisória metálica em um trecho de 27 quilômetros da rodovia, entre Araruama e São Pedro da Aldeia. A instalação do dispositivo de segurança, entre Rio Bonito e Araruama, será implantada ainda em 21 quilômetros.

Para instalar a divisória, as pistas foram alargadas nos dois sentidos e os acostamentos, estruturados e pavimentados. Além disso, todo o sistema de drenagem e sinalização foi adaptado ao novo projeto.

- Trata-se de um empreendimento importante, porque já está proporcionando mais segurança à rodovia. No entanto, a intervenção é complexa pelo tipo e pelo volume de obras.  Nosso compromisso é garantir a fluidez em função das intervenções. Estamos trabalhando para a conclusão até dezembro - afirmou Rodolfo Borrel, gestor de atendimento da CCR ViaLagos.

Projetada para aumentar a segurança na rodovia, a tecnologia da divisória metálica da Via Lagos é uma das mais modernas no mercado de dispositivos de segurança. Segundo Borrel, a finalidade é minimizar o impacto de uma colisão aos ocupantes.

- Este tipo de dispositivo contém o veículo durante o choque, amortece a energia da colisão e o redireciona em ângulo seguro para a pista - explicou o gestor.

MS

sexta-feira, 31 de outubro de 2014

Ponte sobre o Madeira para unir o Acre ao país começa a ser construída

31/10/2014 - Valor Econômico

Território que se transformou em Estado em 1962, com uma população que se aproxima das 800 mil pessoas, o Acre permanece isolado do resto do Brasil por via rodoviária. A única forma de chegar ao Estado, de qualquer ponto do país, sem recorrer ao avião, é a bordo de duas modestas balsas que atravessam o rio Madeira na fronteira entre o Acre, Rondônia e a Bolívia. Promessa antiga, a construção de uma ponte no local começa a sair do papel, fomentando expectativas de ganhos econômicos e maior integração regional.

A travessia é feita na BR-364, na altura do distrito de Abunã, que apesar da distância de mais de 200 km do centro, pertence ao município de Porto Velho. A poucos metros da beira do rio, uma placa do governo federal anuncia a construção da "ponte do Abunã", projeto incluído no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). O informe aponta o início da obra em dezembro de 2013, mas os trabalhos começaram há poucos dias. Apesar do atraso, a previsão de entrega do empreendimento foi mantida em dezembro de 2016.

Até lá, o caminhoneiro Lucélio Souza Silva seguirá sua rotina na balsa. A carreta abarrotada de frutas atravessa o Madeira duas vezes por semana desde 2007. A principal queixa do motorista, contudo, não é a tarifa de R$ 92 cobrada a cada viagem na balsa do Abunã, mas o tempo perdido na travessia, que pode chegar a duas horas e meia, dependendo do movimento. "De noite é pior, porque a gente disputa a balsa com os caminhões-tanque", explica Lucélio.

Justamente por não haver acesso rodoviário, todo o combustível que abastece o Acre tem de passar pela balsa do Abunã. Um píer exclusivo para os caminhões-tanque funciona somente durante o dia. Como esse tipo de carga tem de viajar sozinha na embarcação, o tempo de espera à beira do rio fica bem mais longo à noite, explica o empresário Jucivan Santa Cruz, que vende confecções no eixo Rio Branco- Porto Velho.

Caminhões de todos os tipos e tamanhos são maioria na balsa do Abunã. Nas duas travessias feitas pela reportagem do Valor, eles transportavam frutas, vidro, material de construção e alimentos, entre outras cargas. A depender do porte, um caminhão carregado pode pagar até R$ 150 para chegar ao outro lado do rio. A tarifa para veículos de passeio está em R$ 15,50. Carroças pagam R$ 15, motos, R$ 4,50 e pedestres desembolsam R$ 1,55. Cerca de mil veículos usam a balsa diariamente.

O serviço de travessia é prestado há pelo menos 22 anos pelo deputado federal Roberto Dorner (PSD-MT), conhecido na região como "o rei da balsa". Como empreendedor individual ou por meio das empresas Amazônia Navegações e Rodonave Navegações, ele opera transporte de cargas, veículos e pessoas em vários pontos da bacia Amazônica. Além do Madeira, tem negócios nos rios Xingu e Tapajós.

As autorizações registradas na Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq) foram concedidas por prazo indeterminado. No caso específico da travessia do Abunã, o parlamentar é autorizado a prestar o serviço desde 1992, mas há quem garanta que ele está ali há muito mais tempo. "Tenho comércio aqui faz mais de 40 anos e quando cheguei já era o doutor o dono da balsa", conta Wanderleia Pinheiro Gomes, a Lalá, que vende bebidas e sanduíches na entrada da balsa.

Questionada, a assessoria de imprensa da Antaq informou que o caráter ilimitado das autorizações concedidas está previsto na lei que regulamentou a criação da agência, em 2001. A justificativa é que colocar um prazo final na autorização poderia configurar uma relação contratual entre o governo e o prestador do serviço, o que não é o caso. A Antaq não soube informar precisamente desde quando o deputado oferece transporte por balsa na região amazônica, alegando que a operação é anterior à criação da autarquia.

O Valor apurou em Porto Velho que a atuação de Dorner vai além de apenas operar as balsas. Suas empresas também constroem e comercializam as embarcações. Ao deputado são atribuídos outros negócios, como fabricação de bebidas e produção de soja e milho na região Centro-Oeste.

A reportagem visitou três vezes a sede da Rodonave Navegações, que fica em um sobrado no bairro de São Sebastião, em Porto Velho. Os funcionários, entretanto, não abriram a porta e se recusaram a prestar quaisquer informações. Procurado em Brasília, o deputado informou, por meio de sua assessoria, que não iria se manifestar.

Se para alguns, a construção da ponte vai agilizar a chegada de mercadorias e serviços ao Acre, para outros a perspectiva é incerta. É o caso de Luís Carlos Araújo, piloto da balsa e morador de uma pequena vila construída à beira do rio para os funcionários de Dorner. Ele vai e vem de uma margem a outra do Madeira desde 1998 e ainda não sabe o que vai fazer quando a ponte ficar pronta. "Acho que vou voltar para o Pará", diz.

Licitada em 2013 pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), a obra da ponte do Abunã está a cargo do consórcio Arteleste / Enersil e vai custar R$ 128 milhões. De acordo com o superintendente do órgão federal, Fabiano Martins Cunha, estão sendo feitas atualmente as fundações da ponte. O projeto executivo, porém, ainda está em análise.

Após anos cruzando o Madeira, muitos usuários da balsa ainda não sabem ao certo o que esperar da ponte. O caminhoneiro Lucélio, por exemplo, nem chegou a calcular quanto deixará de gastar para fazer a travessia na balsa toda semana. Ao ser informado de que não haverá cobrança de pedágio na ponte do Abunã, ele franziu a testa: "Não é possível que vão deixar de ganhar essa bolada".

quinta-feira, 2 de outubro de 2014

Justiça autoriza retomada das obras da Estrada-Parque Paraty-Cunha

DER prevê entrega das obras em abril do ano que vem

POR PAULO ROBERTO ARAÚJO

02/10/2014 - O Globo


Estrada Paraty-Cunha: obras paralisadas há um mês - Paulo Roberto Araújo / O Globo (27/11/2013)

RIO — Prometidas há mais de 50 anos e paralisadas há 40 dias a pedido do Ministério Público Federal (MPF), as obras de pavimentação da Estrada-Parque Paraty-Cunha, na Costa Verde fluminense, serão retomadas na segunda-feira. A Justiça Federal concedeu liminar impetrada pela Procuradoria da União e autorizou a retomada das obras, que estão sendo feitas há um ano pelo Departamento de Estradas de Rodagem (DER), com a supervisão de biólogos da UERJ para proteger a fauna do Parque Nacional da Serra da Bocaina. Dos 9,5 Km da estrada, 3km já estão pavimentados.

O presidente do DER, Henrique Ribeiro, informou que já convocou as empreiteiras que estavam trabalhando na execução das obras para retomarem o trabalho o mais rápido possível. Na tarde desta quinta-feira será feita uma avaliação do estado da rodovia para que as obras sejam reiniciadas na segunda-feira. A paralisação de um mês e o risco de chuvas nos próximos meses pode atrasar a inauguração da estrada, mas ele acredita que tudo fique pronto até abril de 2015:

— Tivemos sorte porque choveu pouco no mês de setembro. Na segunda-feira já estarão trabalhando 80 homens no trecho em obras. Em uma semana este número subirá para 270 trabalhadores que estavam lá quando as obras foram paralisadas. Os biólogos, veterinários e demais técnicos da Uerj também foram reconvocados — garantiu Ribeiro.

Secretário executivo do Conselho de Desenvolvimento Sustentável da Baía da Ilha Grande (Consig), Valdir Siqueira, disse que a decisão da Justiça evitou um prejuízo maior para a Paraty-Cunha:

— A decisão é da maior importância, pois a paralisação das obras poderia causar grande dano social, ambiental e econômico para o projeto da estrada-parque. Com a parada, o pessoal técnico da Uerj também deixou o trecho em obras juntamente com os trabalhadores. Felizmente os prejuízos não foram grandes — disse Siqueira.

O prefeito de Paraty, Carlos José Gama Miranda, comemorou a decisão da Justiça:

— São 50 anos de espera. Não se trata de uma rodovia para percorrer, mas para ser visitada. É a primeira estrada-parque de fato do Brasil. Ela segue o Caminho do Ouro, que está sendo resgatado – disse Casé, acrescentando que já existem recursos da Eletronuclear para a conclusão das obras.

Read more: http://oglobo.globo.com/rio/justica-autoriza-retomada-das-obras-da-estrada-parque-paraty-cunha-14115488#ixzz3F0w5vknN

segunda-feira, 11 de agosto de 2014

Tráfego pesado no caminho para a Região dos Lagos

11/08/2014 - O Globo

RIO - Era início da noite de uma sexta-feira e a fotógrafa Elisangela Cunha tentava justificar, pelo telefone, seu atraso. Ela seguia de ônibus em direção a Iguaba Grande, na Região dos Lagos, para registrar imagens de uma festa de 15 anos. Saiu da Rodoviária Novo Rio às 16h, quatro horas antes do compromisso, já prevendo engarrafamentos na estrada. Só não contava com o caos no Trevo de Manilha, em Itaboraí. Às 20h, Elisangela ainda estava na altura de São Gonçalo da BR-101. Isso porque, há pouco mais de um mês, veículos de carga, que até então não passavam por ali devido à restrição de tráfego na Ponte Rio-Niterói, começaram a circular a qualquer hora do dia ou da noite no local para acessar a BR-493 (Magé-Manilha), onde o tráfego aumentou aproximadamente 30%, segundo o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes ( DNIT).

O resultado é um nó no trânsito do Trevo de Manilha, confluência da BR-493, da BR-101 e da RJ-104 (ligação Niterói-Manilha via Tribobó). Com o fluxo intenso de caminhões, congestionamentos se tornaram constantes a qualquer hora do dia. E, nas sextas-feiras, o que era complicado se tornou caótico.

Contratada para trabalhar numa festa com início previsto para as 20h30m, Elisangela lamentou profundamente o que aconteceu naquela sexta-feira:

— O ônibus estava previsto para chegar em Iguaba às 18h. Ou seja, eu estaria no local da festa duas horas e meia antes de seu início. Como não consegui cumprir o combinado, tive de devolver o pagamento e posso ser processada.

O presidente da Cedae, Wagner Victer, ficou preso no mesmo congestionamento.

— Está impossível ir para a Região dos Lagos. Saí às 17h30m do Rio e, às 21h, ainda estava em Manilha. Nem no carnaval foi assim — disse Victer.

O caos não foi só naquela sexta-feira. Diariamente, principalmente nos horários de rush, motoristas gastam, em média, uma hora e meia para percorrer dois quilômetros na área do Trevo de Manilha.

— Ontem, desci de um ônibus e segui meu caminho a pé, percorrendo um trecho de aproximadamente dois quilômetros. Assim, cheguei mais rapidamente em casa. Na véspera, foram quase duas horas só para cruzar o Trevo de Manilha. Se agora está assim, imagine como será no verão — reclamou Mário Silva da Cruz, que mora na região.

A receita da confusão no Trevo de Manilha não tem segredo: basta pegar motoristas que seguem pela BR-101 em direção à Região dos Lagos e somar carros saídos de Niterói pela RJ-104 e várias "pitadas'' de caminhões entrando na BR-493, uma rodovia estreita, de mão dupla e cheia de quebra-molas. Isso tudo, acrescido dos ônibus que transportam os 28 mil funcionários do Complexo Petroquímico de Itaboraí (Comperj), resulta em quilômetros de congestionamentos, que se estendem até a Ponte Rio-Niterói. Motoristas e passageiros também reclamam das obras de manutenção feitas durante o dia (e não à noite) na BR-101, o que ajuda a agravar os engarrafamentos.

— Era a gota d'água que faltava para transbordar o copo — avalia Delmo Pinho, subsecretário estadual de Transportes. — O trevo está com uma demanda maior que sua capacidade. Eu já havia dado um alerta sobre essa situação há sete anos, num seminário sobre o Arco Metropolitano.

A BR-493, que liga Magé a Itaboraí, não está preparada para receber tantos caminhões. Na estrada de 24 quilômetros, o volume de tráfego aumentou 30%. Pela manhã, o fluxo maior de veículos pesados segue em direção ao Arco Metropolitano, no sentido Magé. À tarde, o congestionamento se forma no sentido contrário.

Autoridades da Região dos Lagos estão preocupadas com as consequências que os congestionamentos no Trevo de Manilha podem causar ao turismo.

— Se não encontrarem uma solução imediata para o Trevo de Manilha, a Região dos Lagos vai quebrar. Vivemos do turismo. São necessárias medidas urgentes — afirmou o secretário de Desenvolvimento de Cabo Frio, Valdemir Mendes.

O secretário estadual de Turismo, Claudio Magnavita, anunciou que se reunirá com representantes da Agentransp (agência estadual de transportes), do Departamento de Estradas de Rodagem (DER) e da prefeitura de Itaboraí para estabelecer uma ação imediata que possa normalizar o fluxo para a Região dos Lagos.

— Esse foi um problema inesperado, causado pelo sucesso repentino do Arco Metropolitano. Quando as obras necessárias foram concluídas, o arco será muito positivo para o turismo, pois vai facilitar a ligação rodoviária do Norte ao Sul do estado sem passar pelo Grande Rio — disse Magnavita.

BR-493 terá duplicação, mas prazo para conclusão é de três anos

Polícia Rodoviária Federal informa que faz ações para melhorar fluidez e evitar assaltos

RIO - A solução para os problemas do Trevo de Manilha pode não chegar tão cedo. Segundo o DNIT, responsável pela conservação na BR-493, existe um contrato para obras de duplicação e restauração da rodovia, mas o prazo para conclusão dos serviços é de 36 meses. Operários só deverão começar a trabalhar em setembro. De acordo com o órgão, já foi instalado um canteiro de obras para melhorias no entroncamento da BR-493 com a BR-101.

Segundo a concessionária Autopista Fluminense, que administra a BR-101, o volume de tráfego na rodovia chega a 40 mil veículos por dia e tende a crescer após a conclusão total do Arco Metropolitano e das obras de implantação do Comperj. A empresa, que também espera um crescimento demográfico na região de Itaboraí, afirmou que mantém equipes atuando no Trevo de Manilha em dias de maior movimento.

A Polícia Rodoviária Federal informou que tem colocado em prática ações para tentar melhorar a fluidez do trânsito no Trevo de Manilha. Um outro objetivo dessa iniciativa é evitar assaltos a motoristas que ficam horas parados. Além disso, inspetores tentam impedir infrações de trânsito, especialmente o tráfego pelo acostamento. Entre os meses de janeiro e agosto deste ano, foram emitidas 4.778 multas entre os quilômetros 290 e 300 (acesso ao Trevo de Manilha) da BR-101 e no trecho inicial da BR-493.

O Ministério Público Federal informou que, apesar dos protestos de motoristas, sua ação, por enquanto, está concentrada no acompanhamento do contrato de concessão da BR-101, que não envolve a BR-493. Sobre a falta de um plano de contingência que pudesse alertar usuários sobre os congestionamentos no Trevo de Manilha, a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) argumentou que "para os usuários da BR-101 serem informados sobre o ocorrido na BR-493 é necessário um monitoramento da referida rodovia pelo órgão responsável". A agência informou ainda que está "à disposição para viabilizar, junto à concessionária, a utilização de tais informações de forma a melhorar a fluidez no local" e que já autorizou a elaboração de estudos específicos na BR-101 para melhorar o tráfeg

quarta-feira, 30 de julho de 2014

Obras para construção de megatúnel de 4.640 metros na Rio-Petrópolis avançam a todo vapor

Prevista para ficar pronta em junho de 2016, nova subida da serra ampliará escoamento da BR-040

POR CELIA COSTA

30/07/2014 - O Globo


Na localidade de Duarte da Silveira foram escavados 260 metros, de um total de 4.640 metros, que transformarão o novo túnel no maior túnel rodoviário contínuo do Brasil - Adriana Lorete / Agência O Globo

RIO — A luz no fim do megatúnel da Rio-Petrópolis só deve surgir no final de 2015, quando terminarem as explosões na rocha, mas as obras que fazem parte da construção da nova subida da Serra de Petrópolis já estão a todo vapor. Na localidade de Duarte da Silveira foram escavados 260 metros, de um total de 4.640 metros. Isso representa o dobro da galeria do Túnel Rebouças no trecho entre o Cosme Velho e a Lagoa, com 2.040 metros, o que o tornará o maior túnel rodoviário contínuo do Brasil. O segundo mais extenso tem 3.146 metros e fica na Rodovia dos Imigrantes, em São Paulo, inaugurada em 2002. Parte da BR-040, a nova subida encurtará em cinco quilômetros a ida até a cidade serrana. Sua conclusão está prevista para junho de 2016.

As obras estão orçadas em cerca R$ 1 bilhão, sendo que R$ 290 milhões serão pagos pela Concer, empresa que administra o trecho da BR-040 entre Rio de Janeiro e Juiz de Fora, e o restante, pelo governo federal. Só o megatúnel custará R$ 400 milhões.


Trabalhadores conversam na parte já escavada da rocha - Adriana Lorete / Agência O Globo
O projeto inclui a duplicação de 15 quilômetros da atual pista de descida desde Xerém até a entrada do túnel, onde será construída uma bifurcação. A atual subida, aberta em 1928, será transformada numa estrada-parque, voltada para turismo ecológico, educação ambiental e lazer. A construção da nova pista de subida é uma obrigação contratual estabelecida pelo Programa de Exploração da Rodovia (PER). O prazo de concessão da rodovia é de 25 anos e expira em 2021.

PROJETO PRESERVA MATA

A nova estrada provocou uma intervenção profunda na área de Mata Atlântica, mas a obra obteve todas as licenças ambientais necessárias, inclusive do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama). Segundo o presidente da Concer, Pedro Jonsson, a construção do megatúnel surgiu como a opção de menor impacto ambiental entre os estudos realizados, porque ao se fazer a escavação na rocha a vegetação da cobertura é preservada.

Jonsson afirma que toda a tecnologia usada para a construção do túnel é a mesma empregada atualmente em países europeus. Técnicos da Concer viajaram para alguns países, como a Itália, com o objetivo de pesquisar e trazer para esta obra os mais modernos equipamentos. Segundo o engenheiro Leonardo Kumata, um dos responsáveis pelos trabalhos, apesar de seu comprimento, o túnel não causará uma sensação claustrofóbica.

— O túnel terá exaustores em toda a extensão, controlados por computador. O concreto usado no revestimento é especial, com fibras antichamas. E serão construídas galerias subterrâneas, que poderão escoar as pessoas em caso de acidentes — disse o engenheiro.

O monitoramento do túnel será feito por câmeras e a sala de controle ficará localizada ou nas proximidades do megatúnel ou na sede da Concer, na Rodovia Washington Luís.

As explosões na rocha são diárias. Uma capelinha encravada na entrada do túnel com a imagem de Santa Bárbara, padroeira dos mineiros e de todos que trabalham com fogo e explosões, protege os trabalhadores, conhecidos como tuneleiros. Outras duas estátuas da santa serão instaladas na via durante a obras.

CAPACIDADE ESGOTADA

Construída em 1928, a atual subida da serra está com sua capacidade de tráfego esgotada desde 2010, segundo estudo feito pelo poder concedente.

O trecho de 180,4 quilômetros administrado pela Concer liga os estados do Rio de Janeiro e Minas Gerais, e o volume de tráfego cresce a cada ano: em 2012, atingiu a marca de 31,2 milhões de veículos. O trecho de subida da rodovia recebe em média 20 mil veículos diariamente, segundo a Concer. Muitos deles são caminhões e carretas que dificultam o fluxo de tráfego por causa do traçado sinuoso e da falta de acostamento da via.

Frequentemente, a Concer vem realizando operações especiais de reversão de pista na descida, para que carretas de grandes dimensões possam trafegar durante as madrugadas, período de menor movimento. A rodovia é uma importante rota de escoamento da produção, segundo aponta a Confederação Nacional de Transporte. E a previsão é que o volume de tráfego continue crescendo em função de grandes eventos, como as Olimpíadas de 2016.

A atual pista de subida também ficará sob a administração da concessionária, com foco no atendimento à comunidade que vive às suas margens. Está prevista a implantação de mão dupla, mas ainda está em estudo se será construído algum bloqueio para impedir o uso da rodovia por quem seguir para Petrópolis. Segundo a Concer, se a passagem for permitida, haverá cobrança de pedágio no alto da serra

Read more: http://oglobo.globo.com/rio/obras-para-construcao-de-megatunel-de-4640-metros-na-rio-petropolis-avancam-todo-vapor-13427384#ixzz38x4wjJpu

sexta-feira, 25 de julho de 2014

Segmento rodoviário inicia reação

25/07/2014 - Valor Econômico

Nos últimos seis anos, a possibilidade de licitação do transporte rodoviário interestadual foi um verdadeiro fantasma não apenas para as operadoras do serviço, mas também para as montadoras de ônibus, que têm nesse mercado um de seus grandes filões. Sem a garantia de que continuariam com as linhas, as empresas de viação não se sentiam seguras para investir na frota, esvaziando cada vez mais as carteiras de pedidos dos fabricantes desses veículos e suas encarroçadoras.

Há um mês, contudo, o governo derrubou o processo de licitação das linhas interestaduais. Após sucessivos revezes, o imbróglio vinha se arrastando desde 2008, quando as empresas passaram a operar com licenças de caráter provisório após o vencimento de licenças concedidas 15 anos antes.

A exemplo do que já acontece na aviação civil, o serviço passa a se dar sob o sistema de autorização da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), num modelo mais alinhado com os interesses das operadoras de transporte coletivo - antes preocupadas com a redução nas taxas de retorno do negócio em processos licitatórios que poderiam limitar as tarifas.

Resolvida a questão, as montadoras veem agora a chance de faturar com a volta de investimentos represados nos últimos anos. Na indústria, calcula-se entre 8 mil e 10 mil ônibus o potencial de renovação nas frotas dessas companhias nos próximos cinco anos.

Segundo Ciro Pastore, executivo responsável pelas vendas de chassis rodoviários da Scania, isso significa sair de um mercado que vinha rondando a casa de 5 mil veículos - na média anual dos últimos quatro anos - para algo superior a 7 mil unidades.

Em volume, o segmento rodoviário não é o maior dentro do mercado de veículos coletivos. Sua participação, de 15%, fica atrás das linhas de ônibus urbanos (40%) e de transporte escolar (30%). Mas essa é a categoria que traz maior nível de equipamentos e tecnologia agregada, onde, portanto, pratica-se preços mais altos do que nas demais linhas. Por conta das indefinições que vinham, até então, atrasando os investimentos das companhias de viação, as vendas desses ônibus recuam cerca de 26% neste ano, acima da média de toda a indústria, que cai quase 14%.

Estima-se que a ANTT levará entre seis meses e um ano para regulamentar o sistema de autorização das operadoras, estabelecendo, por exemplo, padrões de qualidade do serviço e especificações técnicas dos veículos. A partir de então, o impacto nas encomendas de ônibus deve ser maior, avaliam executivos de montadoras. "Hoje, temos a segurança jurídica, mas o movimento do empresariado depende dessas outras etapas. Sabemos que o processo [de regulamentação] não deve ser rápido", afirma Pastore, da Scania.

Mas alguns dirigentes da indústria dizem que o fim da exigência de licitação deve melhorar as vendas já a partir deste ano. "O mercado já se mostra mais comprador", diz Walter Barbosa, diretor de vendas da divisão de ônibus da Mercedes-Benz, relatando também um aumento nas consultas das operadoras de transporte rodoviário nas últimas semanas.

Paulo Porto, presidente da Abrati - entidade das empresas de transporte que apoiou a emenda que deu fim ao processo de licitação -, diz que suas associadas devem fechar 2014 com cerca de 1,5 mil veículos comprados. Segundo ele, as empresas já estão se antecipando à regulamentação e fecham novos pedidos para ampliar e reduzir a idade média da frota, que passa hoje de nove anos. "A notícia já está animando o setor", afirma.

Para Barbosa, da Mercedes, o mercado de ônibus rodoviários deve ser mais aquecido no segundo semestre. Mas, por outro lado, as incertezas provocadas pelas eleições devem frear a demanda das operadoras de transporte público urbano. "Vamos ter um rodoviário mais forte e um urbano, menor. Não sei se um consegue compensar o outro", prevê o executivo.

Somando as demais linhas, as vendas de ônibus no Brasil totalizaram 13,4 mil unidades no primeiro semestre, 13,7% abaixo de um ano antes, conforme a Anfavea, entidade das montadoras. O desempenho foi prejudicado pela redução nas compras de ônibus escolares do governo federal.

sábado, 19 de julho de 2014

Local proposto para nova rodoviária fica a 28 km do Centro

19/11/2013 - O Globo

Prefeito retoma ideia de construir novo terminal em Vigário Geral, na Zona Norte

GUSTAVO GOULART

Passageiros da Rodoviária Novo Rio enfrentam uma fila quilométrica para pegar um táxi, ao lado do terminal, após a volta do feriado prolongado: a espera se estendeu por mais de uma hora, reclamavam eles Gabriel de Paiva

RIO - Em meio à adaptação dos motoristas às recentes e robustas mudanças de trânsito na Zona Portuária, o prefeito Eduardo Paes trouxe de volta, nesta segunda-feira, um projeto que tem tudo para trafegar em polêmica, mas que andava em ponto morto: a construção de uma nova rodoviária, provavelmente em Vigário Geral. Em entrevista ao "Bom Dia, Rio", da TV Globo, Paes afirmou que a Rodoviária Novo Rio já não absorve a demanda da Região Metropolitana. Segundo ele, há um estudo para as novas instalações, que ficaram a cerca de 28 quilômetros do Centro.
— A cidade precisa de uma nova rodoviária, urgente. Essa rodoviária (Novo Rio) não absorve a demanda. Estamos estudando. Teremos vários terminais ao longo do BRT Transbrasil. A gente pensa na área do Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura e Transportes), no início da Dutra — disse o prefeito.
Quem conduz o processo de aquisição do terreno é o secretário estadual de Transportes, Júlio Lopes. Ele informou que, há um mês, a Secretaria Geral do Patrimônio da União deu o primeiro sinal para a transferência de um terreno, de 650 mil metros quadrados, no quilômetro zero da Rodovia Presidente Dutra, próximo ao Trevo das Margaridas.
— É uma área importantíssima. Hoje, há um fluxo de trânsito de pessoas moradoras da Baixada Fluminense muito intenso, em viagens, por exemplo. Não tem cabimento precisarem vir até a Novo Rio para voltarem. Estamos nos trâmites finais do acerto para a transferência — explicou Lopes, acrescentando que serão estudadas as linhas de ônibus a serem remanejadas para o novo terminal, já que a Novo Rio não será desativada.
Especialista sugere audiência pública
O projeto não conta apenas com a construção da rodoviária, segundo ele. Há a ideia de se construir um parque municipal e um centro de referência para a Polícia Rodoviária Federal, além de um centro de distribuição de cargas:
— Haverá um centro de fracionamento e direcionamento de cargas também. Carretas grandes não entrarão mais na cidade. As cargas serão distribuídas em veículos mais leves, para que possam entrar na cidade sem causar tantos transtornos.
O secretário municipal de Transportes, Carlos Roberto Osorio, vê com bons olhos o projeto de um novo terminal rodoviário:
— Como ficou comprovado na quinta e sexta-feira, o terminal não tem capacidade de absorver o movimento de pico. Sua localização é muito próxima à chegada ao Centro. No Trevo (das Margaridas), a logística seria melhor. De lá, distribuiríamos melhor os passageiros para as diferentes zonas da cidade. E o BRT Transbrasil alimentaria a rodoviária.
Para o engenheiro de transportes Fenando MacDowell, a ideia é boa, mas é preciso um sério planejamento:
— Não se pode imaginar que haja um estudo sobre o terminal mas não sobre os impactos. Como os passageiros vão chegar (à rodoviária)? A tarifa vai aumentar? Está entre os projetos para os quais se faz necessária uma audiência pública.
A Socicam, concessionária que desde 1990 administra a rodoviária (inaugurada em 1965), disse ver positivamente a construção de um novo terminal. Mas ressaltou que é preciso avaliar o fluxo. A média de embarques e desembarques é de 20 mil por dia, afirmou Beatriz Lima, assessora de imprensa da Socicam. Ela explicou que cerca de 60% do movimento são para Região dos Lagos, Região Serrana e interior:
— Pode haver uma divisão para atender a uma parte da população.
Em nota, a concessionária negou que a capacidade operacional da rodoviária tenha sido ultrapassada na quinta-feira, atribuindo os atrasos aos congestionamentos das principais vias de acesso à rodoviária (Av. Brasil e Linha Vermelha), às interdições de ruas importantes no entorno do terminal e ao excesso de veículos na Ponte.
Passageiros aprovam construção
A preocupação com o trânsito na Zona Portuária levou Paes a autorizar, no sábado, Osorio a fazer bloqueios nos acessos à Novo Rio para evitar a entrada de ônibus além da capacidade do terminal. No fim da noite de quinta e na manhã de sexta-feira, a região em volta da rodoviária registrou longas filas de ônibus esperando para desembarcar ou embarcar passageiros, e o secretário acusou a Novo Rio de overbooking. Com as barreiras, a prefeitura queria evitar que o trânsito da volta do feriadão se somasse ao fluxo normal de veículos.
Paes criticou ainda as "rodoviárias" ilegais que operam ao lado da Novo Rio e levam passageiros em vans para diversas áreas do estado. Ele disse que aumentará a fiscalização para coibir a prática.
Os usuários são favoráveis a uma nova rodoviária.
— Saímos às 4h de Cabo Frio. Para ir para São Paulo, precisamos vir para cá. Ficamos quase o tempo da viagem para conseguir chegar à rodoviária, por causa do engarrafamento. Vai ser muito bom ter uma nova rodoviária num lugar que não cause tanto tumulto — disse a bancária Camila Felícia do Val.
Neta segunda pela manhã, o fluxo de passageiros foi tão intenso que o tempo de espera por um táxi chegou a uma hora e meia. O diretor-presidente da cooperativa da táxi Novo Rio Cop, Marcos Bezerra, disse que os veículos tinham muita dificuldade para chegar à rodoviária:
— Foi um dia atípico. Além do grande número de pessoas retornando do feriado, tivemos também o fechamento de vias importantes. Mas isso serve de alerta para o que pode acontecer nos grandes eventos. Estamos providenciando o reforço da frota.
Uma das pessoas na fila era a residente de farmácia Ingrid Ambrósio, vindo de São Paulo:
— Pensam só nos grandes eventos e esquecem de quem mora aqui.
O desejo de construir um novo terminal não é novo. Em 1987, a Companhia de Desenvolvimento Rodoviário e de Terminais (Coderte) afirmou que a rodoviária precisava ser substituída "com urgência". A ideia era instalá-la no terreno do Dnit. Em 1991, voltou-se a tocar no assunto, mas, mais uma vez, o projeto não saiu do papel. Em 2011, Paes se disse disposto a transferir a Novo Rio para esse mesmo terreno. No ano passado, porém, ele abandonou a ideia de mudança, mostrando-se, em vez disso, favorável à construção de um segundo terminal.

SP conclui entrega de 25,7 quilômetros de duplicação da Raposo Tavares

01/07/2014 - Governo SP

Obra inclui implantação de cinco novos dispositivos de acesso e retorno, remodelação de outro dispositivo já existente e implantação de duas pontes

Download Foto: A2 Fotografia / Gilberto Marques

Cerca de 177,6 mil habitantes dos municípios de Capela do Alto, Sarapui, Alambari e Itapetininga serão beneficiados com a intervenção

Download Foto: A2 Fotografia / Gilberto Marques

Obra inclui implantação de cinco novos dispositivos de acesso e retorno, remodelação de outro dispositivo já existente e implantação de duas pontes

Download Foto: A2 Fotografia / Gilberto Marques

Dos cinco novos dispositivos de acesso e retorno, três ficam no município de Alambari e dois em Itapetininga

Download Foto: A2 Fotografia / Gilberto Marques

Cerca de 177,6 mil habitantes dos municípios de Capela do Alto, Sarapui, Alambari e Itapetininga serão beneficiados com a intervenção

Download Foto: A2 Fotografia / Gilberto Marques

Obra inclui implantação de cinco novos dispositivos de acesso e retorno, remodelação de outro dispositivo já existente e implantação de duas pontes

Foram entregues nesta terça-feira, 1º, as obras de duplicação da Rodovia Raposo Tavares (SP-270) entre os municípios de Capela do Alto e Itapetininga. A intervenção, que inclui a implantação de cinco novos dispositivos de acesso e retorno, remodelação de outro dispositivo já existente e implantação de duas pontes, recebeu investimento de R$ 129 milhões.

"Nós estamos entregando hoje o último trecho de duplicação de Sorocaba, [que vai] lá de Araçoiaba da Serra até Itapetininga. Uma auto-estrada desse nível tem papel indutor no desenvolvimento, traz empresas para o município e, de outro lado, é uma vacina contra acidente, uma grande obra para região."

Dos cinco novos dispositivos de acesso e retorno, três ficam no município de Alambari (km 139, km 142,5 e km 146) e dois em Itapetininga (km 150 e km 157,5). O dispositivo que passou por reforma e remodelação fica no km 158,4, em Itapetininga. As pontes implantadas no trecho ficam sobre o Rio Sarapui, no município de mesmo nome, no km 134,4, e sobre o Córrego da Divisa, no km 136,1, em Alambari.

Cerca de 177,6 mil habitantes dos municípios de Capela do Alto, Sarapui, Alambari e Itapetininga serão beneficiados com a intervenção. A obra melhora a fluidez em um dos principais corredores do país, que liga a Grande São Paulo aos Mato Grosso do Sul e Paraná.

Do Portal do Governo do Estado

sábado, 12 de julho de 2014

Linhas de ônibus interestaduais vão deixar de ser leiloadas

12/07/2014 - O Estado de SP

Dilma acaba com exigência de licitação em serviços de ônibus interestaduais - Valor Econômico

O governo vai mudar totalmente a forma de escolha das empresas que operarão as linhas de ônibus interestaduais e internacionais. Em vez de leiloar as linhas, como vem tentando fazer sem sucesso desde 2008, o governo vai agora simplesmente autorizar todas as empresas interessadas numa determinada rota a operá-la. Desde, é claro, que atendam a requisitos de segurança e qualidade.

"Se tiver 30 ou 40 empresas querendo fazer Rio-São Paulo, e elas se habilitarem, vamos autorizá-las", disse ao Estado a diretora da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) Ana Patrizia Gonçalves Lira. "Depois, o mercado se ajusta."

É uma mudança radical em relação ao cenário de até um mês atrás. Até então, o governo vinha tentando escolher empresas para operar um conjunto de rotas por meio de licitação. A tentativa mais recente, iniciada em agosto de 2013 para ser concluída em janeiro de 2014, estava paralisada por liminares judiciais. O edital dessa concorrência foi revogado ontem.

No mês passado, a presidente Dilma Rousseff sancionou a Lei 12.996, que mudou todo o modelo. Em vez de uma permissão, como vinha sendo tentado até então, as empresas de ônibus de longa distância vão operar mediante autorização. A mudança só não vale para as linhas semiurbanas, como as que ligam o Distrito Federal às cidades-satélite em Goiás. Para essas, a Constituição determina o sistema de permissões.

Liberdade. A autorização, explicou Ana Patrizia, pressupõe mercado livre. Assim, além de permitir que todas as interessadas habilitadas operem as linhas, o governo também deixará de determinar os itinerários. "Cada empresa monta sua rede", disse a diretora. E, daqui cinco anos, as tarifas serão liberadas. A ANTT apenas fiscalizará e punirá abusos.

Essa liberalização do mercado de transporte rodoviário de passageiros vai começar a tomar corpo no segundo semestre de 2015.

Nos primeiros cinco anos após a lei, a ANTT seguirá fixando tarifas máximas para as rotas. Nesse período, espera concluir estudos sobre demanda e custo que permitirão verificar se há abusos, depois da liberação dos preços. A agência reguladora também vai fixar requisitos mínimos para os terminais de ônibus. "Não queremos que a infraestrutura seja um limitador da concorrência, a exemplo do que ocorre no setor aéreo", comentou. "Poderemos ter terminais públicos e privados."

Cerca de 60 milhões de pessoas são transportadas todos os anos por ônibus de longo curso, segundo estimativas da ANTT. Existem perto de de 2.000 linhas em operação.

É também um mercado bilionário. Quando estavam em estudo as permissões, a previsão é que elas movimentariam R$ 4 bilhões nos 15 anos de duração dos contratos

quarta-feira, 9 de julho de 2014

Anunciada para 2013, duplicação da Rio-Santos ainda não saiu do papel

08/07/2014 - O Globo

RIO — Já se vão três anos e meio desde que a promessa foi feita. Mas a duplicação dos 160 quilômetros da Rodovia Rio-Santos (BR-101), de Itacuruçá, em Mangaratiba, até Paraty, divisa com São Paulo, até hoje não aconteceu e, ao que tudo indica, está longe de se concretizar. Única grande estrada de acesso ao Rio ainda não concedida à iniciativa privada, a via continua sendo, em grande parte, uma colcha de retalhos de asfalto remendado e irregular, que apenas ano passado registrou 1.175 acidentes, com 62 mortos. O projeto de construir novas pistas foi anunciado em dezembro de 2010, quando o então ministro dos Transportes, Paulo Sérgio Passos, inaugurou a duplicação de outro trecho, de 26 quilômetros, da Avenida Brasil até Itacuruçá. Os recursos viriam do PAC 2, e o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) chegou a dar prazo até 2011 para licitar o projeto e, de 2013, para iniciar as obras. Continua tudo no plano das ideias.

Até agora, a única intervenção que saiu do papel é a recuperação de cem quilômetros entre Paraty e Angra dos Reis, a um custo de aproximadamente R$ 60 milhões. O recapeamento está pronto da divisa com São Paulo até o Frade, assim como no perímetro urbano próximo ao Centro de Angra e a Japuíba. Áreas como as proximidades do Bracuí, também em Angra, continuam em obras, que, segundo o Dnit, terminam até dezembro.

BARREIRAS CONTINUAM NA PISTA

No trecho de cerca de 60 quilômetros de Itacuruçá a Angra, no entanto, que está em pior estado, não há sinal nem de duplicação, nem de recapeamento. Há trechos esburacados, desníveis que formam lombadas e remendos mais altos do que a pista original. A sinalização no asfalto muitas vezes está apagada. E, numa região onde o solo é instável e que tem histórico de deslizamentos, se a contenção foi feita em algumas encostas, há barreiras que caíram no acostamento ou em faixas de rolamento e continuam pelo caminho. Até mato cresce nelas.

É o que acontece na altura do km 422, em Mangaratiba, onde uma grande pedra e terra obstruem quase a metade de uma das faixa. Um perigo que, na opinião de Valter Feliciano, morador de Itaguaí, é um dos maiores da Rio-Santos. Ele, que é ciclista de estrada, diz não entender por que as barreiras não são retiradas.

— É preciso ficar atento para desviar delas — afirma Valter, que ressalta ainda o transtorno dos engarrafamentos próximo a Itacuruçá. — Principalmente em épocas de grande movimento, como carnaval, os carros vêm na pista dupla e, de repente, quando chegam ao túnel de Itacuruçá, encontram o funil de uma pista única, sem acostamento.

Valter já sofreu um acidente na rodovia. Foi atingido, de bicicleta, por uma Kombi no acostamento, sofreu uma lesão no ombro e ficou dois anos sem poder treinar. Risco que se reflete nos números de acidentes. Apenas no primeiro semestre deste ano, segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), já foram 674 na Rio-Santos (contra 578 no mesmo período de 2013, ou 16,6% a mais), com 27 mortos e 129 feridos em estado grave. Dessas ocorrências, a maior parte (294 ou 43,6%) aconteceu no trecho de Angra, não duplicado, contra 138 em Mangaratiba, 125 em Itaguaí, 66 em Paraty e 51 no Rio.

A maioria é colisão traseira (166). Mas as colisões frontais (53 acidentes), mais comuns em pistas de mão dupla, foram as que deixaram mais mortos — 12 no total. Próximo a Angra, uma placa do Plano de Auxílio Mútuo da Costa Verde alerta, inclusive, para as estatísticas de acidentes.

No Bracuí, em Angra, até existe uma passarela ligando os dois lados do bairro. Mas é pouco usada. Difícil ver alguém atravessando por ela, enquanto pessoas cruzam a pista. O segurança Moacir Ferreira diz que o número de acidentes só diminuiu depois da instalação de quebra-molas:

— Antes, toda semana acontecia atropelamento.

Mas, se os quebra-molas foram uma solução para quem vive às margens da rodovia, a proliferação deles em várias áreas urbanas, além de dezenas de pardais de fiscalização eletrônica com diferentes velocidades, de até 40km/h, é motivo de reclamações de motoristas. O presidente da Associação de Turismo da Costa Verde, Dirceu Borin, chega a dizer que é um dos fatores que, hoje, mais prejudicam o turismo na região.

— Uma viagem do Rio a Paraty (que recebe a Flip a partir do dia 30) pode durar até mais de cinco horas — diz ele. — Com esses obstáculos e a má conservação, se houver um problema na usina nuclear de Angra, tenho certeza de que fica todo mundo preso aqui.

O Dnit informou que a duplicação da Rio-Santos está em fase de estudo de viabilidade técnica, econômica e ambiental, que precede os estudos ambientais e os projetos de engenharia para obras de infraestrutura de transportes de grande vulto. Não há prazo, portanto, para o início das intervenções.

Além do trecho de Itacuruçá a Angra, o estudo compreende outro em São Paulo. Superintendente do Dnit no Rio, Antonio Guanabarino diz que, por enquanto, estão em fase de licitação também serviços de conservação, restauração e manutenção de Angra até Itacuruçá. Segue em elaboração ainda uma licitação para obras de contenção de encostas em cerca de 70 segmentos da rodovia.

terça-feira, 1 de julho de 2014

Arco Metropolitano deve injetar R$ 1,8 bilhão ao PIB do Estado do Rio

Com inauguração nesta terça-feira, via promete ainda reduzir custo de transporte e desafogar vias importantes

RAFAEL GALDO

01/07/2014 5:00

 O trecho de 71,2km do Arco Metropolitano custou R$ 1,9 bilhão e deve tirar da Avenida Brasil e da Via Dutra dez mil carretas e 22 mil veículos leves por dia Foto: Erica Ramalho / Divulgação
O trecho de 71,2km do Arco Metropolitano custou R$ 1,9 bilhão e deve tirar da Avenida Brasil e da Via Dutra dez mil carretas e 22 mil veículos leves por dia
Foto: Erica Ramalho / Divulgação

O trecho de 71,2km do Arco Metropolitano custou R$ 1,9 bilhão e deve tirar da Avenida Brasil e da Via Dutra dez mil carretas e 22 mil veículos leves por dia - Erica Ramalho / Divulgação
RIO — Foram mais de 40 anos desde a ideia original até a sua inauguração, nesta terça-feira. Com o objetivo de ligar os trechos norte e sul da BR-101 e desafogar importantes vias urbanas, como a Avenida Brasil e a Ponte Rio-Niterói, finalmente, a maior e mais importante parte do Arco Metropolitano do Rio será aberta ao tráfego. São 71,2 quilômetros de uma nova via, do entroncamento da BR-040 (Rio-Juiz de Fora), em Duque de Caxias, ao acesso ao Porto de Itaguaí, cortando as rodovias BR-465 (antiga Rio-São Paulo), BR-116 (Via Dutra) e BR-101 (Rio-Santos). E que, segundo cálculos da Federação das Indústrias do Estado do Rio (Firjan), deve possibilitar uma injeção de mais de R$ 1,8 bilhão no PIB do Rio, reduzir em até 20% o custo do transporte de carga no estado e gerar mais de R$ 343 milhões em receita anual com arrecadação de impostos. Um impacto que começará a ser sentido já a curto prazo, mesmo que o arco não esteja completamente concluído, uma vez que cabe ao governo federal a duplicação e melhoria dos 25 quilômetros da BR-493, entre Magé e Manilha, que ainda não teve as obras sequer iniciadas.

Apesar disso, só o trecho que será aberto hoje, numa cerimônia com a presidente Dilma Rousseff e o governador Luiz Fernando Pezão, deve tirar da Avenida Brasil e da Rodovia Presidente Dutra dez mil carretas e 22 mil veículos leves por dia. As obras nesse trecho, sob responsabilidade do estado e com recursos do PAC, custaram aos cofres públicos R$ 1,9 bilhão, quase o dobro do orçado (R$ 965 milhões em 2008).

MAIS DE 40 EMPRESAS INTERESSADAS

Ao cruzar os municípios de Caxias, Nova Iguaçu, Japeri, Seropédica e Itaguaí, a obra pode trazer novas perspectivas para a região, afirma Riley Rodrigues, especialista em Competitividade e Infraestrutura da Firjan. Segundo ele, ao menos 40 empresas já manifestaram interesse em se instalar ao longo do Arco Metropolitano. E, entre os muitos impactos econômicos a serem gerados, um dos mais importantes, ressalta Riley, será a melhoria no acesso ao Porto de Itaguaí e o consequente aumento na movimentação do terminal.

— Atualmente, é um porto subutilizado. Das 52 milhões de toneladas em exportações e 4,5 milhões de toneladas em importações que Itaguaí movimentou ano passado, 80% foram minério. Resolvido o acesso, outros tipos de carga poderão chegar ao porto. Além disso, empresas de setores como alimentício, têxtil, petroquímico e de logística devem se instalar ao longo do arco. E a expectativa é que, até 2020, sejam gerados 10.700 empregos na região. Mas para essa expansão se dar de forma ordenada, os municípios precisam tomar uma série de medidas, como atualização de seus planos diretores e leis de ocupação e uso de solo — ressalva.

Ao todo, quando estiver pronto, o Arco terá 145 quilômetros, de Itaboraí a Itaguaí, com possibilidade de ser estendido até Maricá. Os 71,2 quilômetros serão entregues hoje com quatro anos de atraso. Demora que o governo vem atribuindo a vários fatores, como a necessidade de alterações no trajeto devido à descoberta da perereca Physalaemus soaresi, espécie ameaçada de extinção, na Floresta Nacional Mário Xavier (Flona), em Seropédica, e de dezenas de sítios arqueológicos no caminho.

PERIGO E GARGALOS NA BR-393

Já na BR-493, pela qual o Arco alcança Itaboraí — município onde está sendo construído o Polo Petroquímico do Rio, o Comperj —, a situação da pista continua ruim, com buracos, sinalização precária e um histórico de acidentes e atropelamentos. Ao longo da rodovia, o perigo é tamanho que alguns motoristas e moradores da região a chamam de estrada da morte. O quadro é agravado pelo tráfego pesado na via, com um intenso movimento de caminhões entre o sul do estado e a Região dos Lagos, além de Niterói, São Gonçalo e Norte Fluminense, sobretudo com a proibição da passagem desses veículos pela Ponte Rio-Niterói, das 4h às 22h.

— Três vezes por semana tenho que passar por este tormento. O perigo é ainda maior quando anoitece, já que a estrada não tem iluminação nem sinalização, além de estar cheia de buracos. Todos corremos riscos: motoristas e pedestres que circulam pela via, cercada de áreas urbanas — diz o caminhoneiro Gilberto Amaro Pereira, que transporta material de construção entre São Paulo e Niterói.

Os perigos a que ele se refere ficam claros em toda a estrada. Só num trecho de cerca de um quilômetro em Itambi, em Itaboraí, são oito borracharias, número que o borracheiro Daniel Siqueira Neto atribui ao desgaste dos pneus dos caminhões no asfalto esburacado. Já na altura de Guapimirim, o caminhoneiro Ednaldo de Souza Santos esperava por um reboque ontem, depois de o veículo quebrar ao passar por um desnível. Perto de Santa Guilhermina, em Magé, pedestres se equilibravam entre a mureta destruída de uma ponte e os caminhões, que tiravam fino deles. No bairro Barbuda, na mesma cidade, garantia o aposentado Nelson Martins, é difícil encontrar alguém que não tenha perdido um conhecido atropelado. No entroncamento da rodovia com a BR-101 e a RJ-104, em Manilha, motoristas reclamavam de engarrafamentos diários, que atrapalham quem segue pela Niterói-Manilha em direção à Região dos Lagos, e que tenderão a piorar com a inauguração do acesso ao Comperj pela região de Itambi, prevista para breve.

De acordo com o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), as obras na rodovia só devem ficar prontas em 2016. Segundo o órgão, as licitações para duplicar e fazer melhorias na BR-493 foram finalizadas no fim do ano passado, e o departamento ainda trabalha para terminar o projeto e dar início às obras, em agosto. Do total de R$ 1,23 bilhão investidos pelo governo no Arco Metropolitano, R$ 405 milhões serão destinados para o trecho.

Read more: http://oglobo.globo.com/rio/arco-metropolitano-deve-injetar-18-bilhao-ao-pib-do-estado-do-rio-13087882#ixzz36DcW89Wu

domingo, 29 de junho de 2014

Norte se torna corredor de escoamento para safra de grãos do Centro-Oeste

25/06/2014 - Folha de SP

Rodovias entupidas, filas de caminhões nos portos e navios parados à espera dos grãos que demoram a chegar. O país deixa de economizar R$ 7,2 bilhões por ano, segundo a CNI (Confederação Nacional da Indústria), pela ausência de estratégias para escoar a produção. 

A emergência por um sistema de escoamento eficiente de grãos transformou a região Norte do país em um potencial corredor para desafogar os portos do Sul e Sudeste na próxima década. 

As cifras explicam: escoar a produção pelos caminhos intermodais (hidrovia, rodovia e ferrovia) da região é 35% mais barato e rápido, segundo estimativas do Movimento Pró-Logística, que agrega entidades do setor produtivo. 

Na última safra, 9,2 milhões de toneladas de grãos de Mato Grosso –o correspondente a 20% do total– seguiram em direção a quatro portos do Norte. De lá, rumaram para Ásia e Europa. 

Em 2025, os mesmos portos têm a perspectiva de receber, pelo menos, 52 milhões de toneladas de grãos. 

E não é só isso: caso todas as obras previstas pelo governo federal em portos, ferrovias e rodovias saiam do papel, outros 52 milhões de toneladas de grãos poderão circular pela região. 

A secretaria de Portos diz que o Norte está sendo preparado "para receber o excedente da produção dos próximos anos". 

De acordo com a pasta, os investimentos para arrendamentos de áreas e construção de terminais privados nos portos do Norte atingem R$ 5,5 bilhões. 

Para dotar a região de estrutura, a EPL (Empresa de Planejamento e Logística), do governo federal, estuda o fluxo dos movimentos de cargas no país. Para a região Norte, a pesquisa constatou a necessidade de construção de duas ferrovias. 

"Nossos estudos constataram a viabilidade desses projetos, que serão analisados pela iniciativa privada", diz Paulo Passos, presidente da EPL. 

Passos adiantou que uma das obras ferroviárias prioritárias para a região será a Fico (Ferrovia de Integração do Centro-Oeste), que ligará Lucas do Rio Verde (MT) à linha da Norte-Sul. 

"Esse projeto é prioritário e está bem avançado. Será necessário um investimento de R$ 5,4 bilhões só nesta obra."

Fonte: Folha de S. Paulo
Publicada em:: 25/06/2014

terça-feira, 24 de junho de 2014

Artesp também confirma entrega de obras do Rodoanel para domingo

24/06/2014 - Diário de Suzano - SP

As obras do Trecho Leste do Rodoanel, na Ayrton Senna, serão entregues neste fim de semana. A informação foi confirmada pela concessionária SPMar e a Agência do Transporte do Estado de São Paulo (Artesp), reguladora de serviços públicos. A previsão é que até domingo seja inaugurado o trecho entre Mauá e as cidades de Suzano, Poá e Itaquaquecetuba, no Alto Tietê. A Artesp, no entanto, não confirmou eventual cerimônia de entrega da obra.

O prazo de entrega, se confirmado, atesta as declarações feitas pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB) nas duas últimas visitas à região, que ocorreram em 31 de maio, em Ferraz de Vasconcelos, e 14 de junho, em Mogi das Cruzes. Na última ocasião, Alckmin disse, em coletiva à imprensa, que o governo está fazendo grande esforço para entregar o trecho até o fim do mês.

Embora sem previsão para circulação de veículos, a entrega da obra evitaria o quinto atraso do projeto, que tinha como prazo inicial 10 de março deste ano.

Segundo a SPMar, o trecho até a Dutra, em Arujá, será entregue em até 90 dias, contados a partir da próxima segunda-feira. O prazo também foi estimado pelo governador, quanto esteve em Arujá no dia 12 de junho.

Sobre os sucessivos atrasos, Alckmin disse que o Rodoanel é uma grande obra e demandou grandes desapropriações. "É uma obra metropolitana que passa por percursos, como por exemplo, de linha férrea, avenidas e intersecções. O trecho da Dutra será entregue inclusive com o viaduto sobre a rodovia. Estamos com seis frentes de trabalho para concluir o Rodoanel, que passa pela Capital e corta cidades do Alto Tietê", disse o governador.

Conforme o DS noticiou, a SPMar, responsável pela construção do Rodoanel, delega às "questões técnicas e geológicas" a responsabilidade pelos atrasos na obra.

A multa pelo adiamento, segundo a Artesp, só será definida quando a obra for entregue, pois considera o número de dias de atraso para que seja realizado o cálculo - inclusive da entrega até a Dutra. Antes da conclusão do prazo de entrega do Trecho Leste do Rodoanel, a concessionária já havia sido multada em R$ 251 mil por atrasos na entrega de projetos.

A SPMar venceu a concorrência para realizar a obra no ano de 2011 e, conforme previsão em contrato, deve pagar multa diária de R$ 417 mil proporcional ao porcentual que não foi concluído dentro do cronograma. O Trecho Leste é construído totalmente com recursos da iniciativa privada e, segundo a SPMar, o investimento total ultrapassa R$ 3,2 bilhões.

Com 43,8 km de extensão, o Rodoanel Trecho Leste é a principal obra viária do governo Geraldo Alckmin e será a principal via de acesso entre o porto de Santos e o aeroporto de Guarulhos. A via passará pelos municípios de Arujá, Itaquaquecetuba, Mauá, Poá, Ribeirão Pires e Suzano. O investimento para esse trecho é estimado em R$ 3,2 bilhões (incluindo outorga, construção, desapropriações, reassentamentos e projetos ambientais). A expectativa é receber cerca de 48 mil veículos por dia.

quinta-feira, 15 de maio de 2014

Rodovias começam a ter aditivos bilionários

15/05/2014 - Valor Econômico

Após anos de espera, o governo assinou o primeiro dos bilionários aditivos contratuais em rodovias licitadas nos anos 90 sob um novo formato. Pelo modelo, o governo tem a opção de bancar obras a serem feitas pelas concessionárias das estradas - o que evitaria aumento de pedágio ou postergação de contratos. A conta pode passar de R$ 4 bilhões.

Caso o governo não faça o pagamento pelos investimentos até o dia estabelecido em contrato, aí sim a empresa ganha - automaticamente - o direito de estender o prazo da concessão. A negociação do novo formato foi antecipada pelo Valor em janeiro.

Nesta semana, o primeiro dos grandes aditivos em negociação foi assinado entre a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) e a Triunfo Participações e Investimentos (TPI). A empresa, desde 1996, administra o trecho da BR-040 entre Rio de Janeiro (RJ) e Juiz de Fora (MG) por meio da subsidiária Companhia de Concessão Rodoviária Juiz de Fora (Concer).

O contrato de concessão já previa uma nova pista na Serra de Petrópolis. Entretanto, o valor calculado na época para esses investimentos era de apenas R$ 250 milhões. Após a realização de projetos, verificou-se que a obra custaria R$ 750 milhões a mais (valores de 2012). Por isso, o governo entendeu que havia a necessidade de um aditivo. A concessão duraria 25 anos, até 2021. Agora, pode ser estendida em até dez anos.

O aditivo da Triunfo gera aproximadamente R$ 1 bilhão em investimentos, que podem ser remunerados em três parcelas. O primeiro aporte, por exemplo, é de R$ 277 milhões e pode ser pago até 31 de dezembro de 2014. Caso ocorra o inadimplemento dessa parcela, o contrato será prorrogado por dois anos e dez meses. Há ainda parcelas de R$ 581 milhões uma última de R$ 304 milhões.

O reequilíbrio do contrato será feito por meio do chamado fluxo de caixa marginal, quando a remuneração independe dos valores definidos no contrato original. Será considerada uma taxa interna de retorno (TIR) real e do projeto de 8,01%, bem como a indenização dos investimentos feitos. Além disso, a Concer receberá uma taxa de administração de 10,12% para os investimentos e ainda 6,24% sobre investimentos indiretos.

A assinatura do aditivo da Triunfo abre caminho para outra grande contratação, negociada pela CCR (de Andrade Gutierrez, Camargo Corrêa e Soares Penido). Ela administra a presidente Dutra, entre Rio e São Paulo. Nesse caso, o valor de investimento é três vezes maior: R$ 3 bilhões, segundo a empresa. A Dutra precisa de investimentos em novas pistas na Serra das Araras, nas marginais de Rio, São Paulo e São José dos Campos e em outras obras de segurança.

Outros dois contratos menores também eram negociados sob o novo modelo. O primeiro, também da Triunfo, foi aceito no mês passado. O valor é de R$ 244 milhões e se refere à BR-290, no Rio Grande do Sul. Um segundo, da CCR, era a Ponte Rio-Niterói. Nesse caso, o valor dos desembolsos seria de R$ 300 milhões e o aval chegou a ser dado pela presidente Dilma Rousseff. Mas, após a demora na definição de detalhes, a CCR desistiu. A Ponte será relicitada e terá novo contrato em maio de 2015.

Procurada, a ANTT informou que os aportes em rodovias foram aprovados "dado o atual patamar tarifário" dos pedágios. Mas não comentou o caso da Dutra e também não informou de onde vai sair o dinheiro a ser pago pelo governo. Para analistas, o mais provável é que, ao fim das datas previstas nos contratos, a União deixe de fazer os aportes para as empresas e os contratos acabem postergados.

sexta-feira, 2 de maio de 2014

5ª faixa da rodovia dos Bandeirantes é liberada no interior de SP

01/05/2014 - Folha de SP

A quinta faixa da rodovia dos Bandeirantes, no trecho que liga São Paulo a Jundiaí (a 58 km de SP), foi liberada ontem ao tráfego. A construção dos 62 quilômetros de pista (31 km em cada sentido) foi iniciada há um ano.

Segundo o governo do Estado, a obra ampliará em 25% a capacidade de fluxo no trecho (km 16 ao km 47). Ali, a média é de 112 mil veículos por dia.

domingo, 19 de janeiro de 2014

Linhas de ônibus do país todo vão a leilão

Linhas de ônibus do país todo vão a leilão

11/12/2013 -

A ANTT --Agência Nacional de Transportes Terrestres-- vai mudar toda a geografia do transporte rodoviário interestadual de passageiros no país. Foram colocadas em licitação todas as rotas atuais, com exceção de 25, cujas permissões ainda valem. Segundo o edital, já publicado, as interessadas devem apresentar suas propostas em 20 e 21 de janeiro de 2014.


As linhas serão concedidas por 15 anos, e vence quem oferecer as menores tarifas, o que pode levar a uma mudança de preços das passagens após o leilão --o objetivo da ANTT é atingir a "modicidade tarifária".

As linhas não serão licitadas individualmente. Para garantir que todo o país seja atendido, mesmo em regiões de menor movimento, elas foram agrupadas em blocos, dos quais fazem parte rotas mais e menos lucrativas.

Caso antigo
O caso das linhas interestaduais se arrasta desde a Constituição de 1988. Embora o mercado de linhas de ônibus não seja um monopólio natural --em um mercado aberto, bastaria um veículo para começar a competir com empresas estabelecidas--, em 1988 ficou decidido que a exploração do serviço teria de ser precedida de licitação, pois esse setor seria de interesse público.


Em 1993, um decreto presidencial deu às empresas estabelecidas uma permissão de 15 anos, para garantir a continuidade do serviço. Essa permissão venceu em 2008. Sob pressão do Ministério Público Federal, que pediu nova licitação em vez de simples renovação das permissões, a ANTT começou naquele ano pesquisas que desembocaram no atual edital.

Há hoje 207 empresas operadoras de ônibus, mas o leilão terá no máximo 54 vencedoras, representando uma concentração do mercado. Para participar, interessados isolados ou líderes dos consórcios terão que apresentar fortes qualificações, como já ter determinada frota, garagens e experiência -os números variam de acordo com o bloco licitado.

Tais exigências afastam aventureiros da licitação, mas tendem a excluir tanto empresas menores quanto novatos interessados em entrar no ramo, criando na prática uma reserva de mercado.


Grandes insatisfeitas
Isso não significa que as grandes empresas do setor estejam felizes. O problema, segundo as empresas, é que o novo agrupamento de linhas não necessariamente reflete as operações atuais. Ou seja, o leilão deve trazer uma grande dança das cadeiras entre as operadoras.

Uma grande empresa do setor ouvida fez um estudo e concluiu que, na melhor das hipóteses, em função das combinações de linhas possíveis de serem arrematadas, manterá só 30% da sua atual malha.

Empresas que tradicionalmente operam trechos próximos às suas sedes históricas podem deixar de fazê-lo e, em um curto período de tempo, mudar garagens, moradia de funcionários e rodoviárias.

Fonte: Folha de São Paulo